27. Humilhação que engrandece

Texto  Bíblico

“Da mesma forma, vocês, que são mais jovens, aceitem a autoridade dos presbíteros. E todos vocês vistam-se de humildade no relacionamento uns com os outros. Pois, ‘Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes’.” (1 Pedro 5.5 NVT)

Meditação

ARROGÂNCIA É SEMPRE UM PÉSSIMO NEGÓCIO. Não apenas para o próximo menosprezado e diminuído pelo arrogante, mas, sobretudo, para o próprio arrogante, que tem como garantido para o seu viver nada menos que a oposição do próprio Deus.

A citação de Provérbios 3.34 por Pedro não é por acaso. O termo utilizado pelo autor de Provérbios (3.34) para arrogantes – heb: les (sg.), lesim (pl.) – designa a pessoa caracterizada por atitude rebelde, acintosa, teimosa, malévola, cuja disposição não é só mostrar-se contrário ao outro – especialmente as pessoas investidas de alguma autoridade – mas demonstrar essa contrariedade com desprezo mordaz. É o mesmo termo utilizado no Salmo 1, quando o salmista afirma que felizes são os homens que “não se assentam à roda dos lesim – zombadores – antes, seu prazer está nos estatutos do Senhor”.

O arrogante, em Pedro 5.5, o zombador, em Provérbios 3.34 e o escarnecedor, no Salmo 1, são a mesma pessoa: autossuficientes; centrados em si mesmos e seus afetos pecaminosos; sem verdadeiro conhecimento e temor de Deus; cegos sobre si; implacáveis na visão do próximo como caricatura, piada pronta, alvo de deboche, maledicência e riso fácil.

Essa é característica mais notória dos lesim. Curiosamente, lemos em Provérbios – na língua original – que é Deus, por fim, quem escarnece deles. Eis a oposição. É realmente um péssimo negócio…
Por outro lado – e esse é o nosso foco – todos esses textos também afirmam que Deus favorece, concede graça, acolhe o humilde. É muito bonita a forma como Pedro nos ensina o caminho da humildade: devemos nos vestir dela.

O que isso significa, na prática? Que da nossa relação reverente com Deus deve surgir um fruto: a visão correta sobre nós mesmos, sobre o próximo e respectivas implicações dessa visão. Ser humilde é ter a disposição de avaliar-se e dar-se o valor adequado, considerados a própria pecaminosidade e o fato que se é criatura tanto quanto o próximo.

Quando essa disposição entra em cena, nosso trato com o outro muda: passamos a olhar nosso irmão com mais cuidado e diligência, e aqueles que se gastam no cuidado do rebanho com mais respeito. Trata-se de real cooperação, ou, se preferir, verdadeira comunhão.

Por fim, o alerta de Pedro aos jovens não é casual. Ele sabe, com razão, que é na juventude que as manifestações mais agressivas de arrogância e autossuficiência costumam se manifestar: em casa, com os pais; no trabalho, com chefes; na escola, com professores; na igreja, com pastores e líderes. Como você, jovem, reage ao alerta de Pedro? 😉

Mas que alegria é sermos lembrados que Deus favorece aqueles que nutrem conceitos corretos sobre si mesmos e o próximo, como fruto nobre da relação de amor com o Pai. Para os humildes sempre há esperança!

Leia  também 

2 Samuel 22.28; Jó 5.11; Salmos 1; 18.27; 25.9; 37.11; 119.9-16; 138.6; Provérbios 8.13; 11.2; 16.18-19; Isaías 2.11; 29.29; 57.15; 66.2; Romanos 12

Sugestões  para  Discussão  em  Grupo 

  • Explique, em suas palavras, o que significa vestir-se de humildade no relacionamento com o próximo.
  • Você precisa se vestir de humildade em relação a alguém, hoje? Quem? Por quê? O que e como fará?

Sugestão  de  Oração

Pai, Tu és santo! Ajude-me a vencer minhas resistências na luta contra o orgulho. Guia-me na percepção correta sobre mim e sobre o próximo. Cria em mim um espírito puro, disposto a colaborar com todos aqueles que se gastam genuinamente para cuidar do teu rebanho. Em nome do Grande Pastor, Amém.

Arquivo

Devocional 27 – Humilhação que engrandece.pdf

Print your tickets